NÃO DÊS CONSELHOS!
Antes de pelo menos 3 perguntas.


A minha avó sempre me disse, não dês conselhos!
Pondera bem a tua opinião e tem cuidado com quem falas, um dia ainda te cobram por os teres incentivado a fazer isto ou aquilo.

Quando nos pedem conselhos sobre um assunto, a nossa primeira vontade é de ajudar de imediato. Mas e se conseguiremos resistir! Guardamos o que pensamos que possa ser um bom conselho e questionamos:

"Quais são as primeiras impressões sobre o que nos está a perguntar?"
Concordamos com as intenções, também não poderíamos discordar, até porque estamos na fase de perceber o verdadeiro problema, e questionamos:

"E que mais poderia fazer?".
Voltamos a concordar e voltamos a questionar:

"Mais alguma coisa que possa ponderar?”
De uma forma natural exploramos o teor da conversa até que a pessoa fique sem mais ideias, até que já tenha confessado todos os seus problemas. Só nessa altura aconselhamos ou recomendamos determinada tática ou ação.

Permanecemos focados nas perguntas, reconhecemos respostas.
Respeitamos o silêncio e aguardamos feedback.

Um pouco menos de conselhos, um pouco mais de curiosidade.

Com isto estamos a forcarmo-nos nas verdadeiras necessidades dos nossos clientes, ajudamo-los a pensar sobre o problema e acima de tudo a reduzir o risco de tomar más decisões.


---
Procura saber mais sobre este tema, aconselhamos este livro.
THE COACHING HABIT, Michael Bungay Stanier
©Andrea Piacquadio
4 janeiro 2021